sábado, março 10, 2018

O remake



Num filme de há muitas décadas, “Um tiro às escuras”, Peter Sellers, no impagável papel do inspetor Clouseau, listava, numa reunião tipo Poirot, os detalhes de um crime, todos invariavelmente incriminando a Maria. 

Quando se preparava para tirar a conclusão lógica, punha os olhos na tal Maria, um monumento chamado Elke Sommer, e rematava:

Conclusão: - Donde se prova que o criminoso não é a Maria.

A piada é tão boa, que foi aproveitada para fazer um remake:

Listemos os factos:


- Correspondência ilegalmente apanhada denuncia, entre “missas” e “ministros”, uma teia de compadrio montada a partir de um clube, para controlo de tudo no futebol, desde a arbitragem à comunicação social.

- JL foi apanhado numa situação comprometedora, sendo acusado de corrupção em favor desse clube de futebol, juntando a justiça ao rol dos setores controlados.

- Anteriormente, enquanto avaliador de árbitros, JL fez um árbitro descer de divisão (e abandonar a arbitragem), atribuindo-lhe a nota historicamente mais baixa do futebol português, por ter prejudicado esse mesmo clube.

- Esse senhor JL recebe desse clube um tratamento VIP.

Clouseau olha para o clube, e vê o Benfica:

CONCLUSÃO – Donde se prova que o Benfica não tem nada a ver com corrupção e manipulação da arbitragem

PS – A única diferença é que, no filme, a Maria é mesmo inocente.

quinta-feira, junho 30, 2016

O Brexit explicado

Aproveitando a ausência em França da população islandesa, um grupo não identificado roubou a ilha. Enquanto decorrem as buscas do desaparecido islandês que tinha ficado a guardar o aeroporto, soube-se agora que Bruxelas se preparava para, usando os argumentos de vizinhança, instalar os desalojados islandeses na Grã-Bretanha. O MI6 foi rápido, e conseguiu, em poucas horas, sair da União Europeia e fazer regressar de França os seus jogadores. Já pode mandar fechar os aeroportos.

domingo, janeiro 31, 2016

Loiras e Alentejanos mobilizem-se

O futebol português reclama o protagonismo absoluto no anedotário nacional. Dado que os elefantes estão em vias de extinção, Bocage passou, e o menino Carlinhos continua em parte incerta, a esperança é que loiras e alentejanos façam valer os seus pergaminhos.

quarta-feira, dezembro 30, 2015

Banco - eficaz instrumento de ruína


Durante anos, os bancos arrastaram milhares para a ruína, vendendo ilusões que convenciam a pedir e gastar aqueles que de facto não o podiam fazer.

Quando chegou a hora de assumir os custos dessa prática, arruinaram mais alguns milhares, transferindo o ónus dos seus abusos para os outros - os que não se deixaram iludir, e geriram os seus recursos à medida das disponibilidades, sem esperar a traição dum sistema cuja lógica assenta na confiança. 

Mas, aos olhos do público, os criminosos visíveis são os funcionários, que, pressionados por objectivos e pelo risco e perder empregos, foram forçados, anos a fio, a vender aos balcões gato por lebre, enquanto os patrões se acautelavam nas off-shores.

Bancos - centrais de crime que ninguém consegue punir.

terça-feira, outubro 06, 2015

Vem aí novo Governo

- Oh Costa, preciso de falar contigo.
- Sobre quê?
- Ouviste o chefe?
- O teu chefe?
- O nosso. Também tens que o gramar.
- Então e depois?
- Temos que nos entender.
- Ah bom. Está na hora de me vires comer à mão.
- Deixa-te de basófias que quem ganhou fui eu.
- Pronto. Vai lá exibir a taça, e deixa-me sacudir estes gajos que me estão a ferrar nas canelas.
- É isso, pá! Eu posso ajudar-te com esses gajos.
- Como?
- Se tu garantires ao chefe que não me vais estorvar, eu posso ocupar algumas dessas feras para te deixarem as canelas em paz.
- E como?
- Eu prometi ao Paulo meter um boy dele por cada 4 meus. Podíamos combinar, por exemplo, um dos teus por cada dois do Paulo.
- Pensas que eu sou totó ou quê? Tu agora precisas mais de mim do que do Paulo.
- OK. Um por um.
- Não me vendo por tostões: um meu por cada dois teus.
- És tonto! Quem é que segurava o Paulo?
- Pensa Pedro! Tu nunca o seguraste, e da forma que ele precisa de ti, o mais que arriscas é uma daquelas decisões irrevogáveis durante um quarto de hora.

- Não tinha pensado nisso! Vou falar com o chefe, e amanhã volto a ligar

sexta-feira, agosto 21, 2015

Obrigado Vodafone

Estive em Espanha com um telefone pré-pago, pelo que fiquei abrangido pela obrigação de pagar roaming.
Em vez de debitar esse custo no saldo pré-pago do cartão, a Vodafone opta, por razões que desconheço, por enviar uma factura suplementar.
Foi, assim, que recebi pelo correio uma factura para pagar sete cêntimos de roaming.
FAZ SENTIDO:
A Vodafone enviou-me três páginas muito bem impressas, com o detalhe das parcelas que somam os 7 cêntimos, instruções claras sobre a forma de incluir o cheque e dobrar, e, mais simpático ainda, sem necessidade de selo.
Feitas as contas, eu terei apenas de custo 57 cêntimos, somando o cheque e a dívida. Pelo seu lado, a Vodafone pagará os 90 cêntimos de correio, e mais um valor indeterminado do custo das 3 folhas impressas e da mão de obra associada, o que atirará seguramente, para uma despesa total bem superior a um euro.
Tomando por baixo, significa assim que uma dívida de 0.07 € gera um movimento económico global de cerca de 1.60 € ou seja, tem um factor multiplicador na economia de mais de 22 vezes.

HAVERÁ FORMA MAIS INTELIGENTE DE DINAMIZAR A ECONOMIA NACIONAL?

quinta-feira, agosto 13, 2015

Bora ir


Estão a chegar as vindimas da Badula.  Quem quiser treinar inglês pode ver o convite no site do Virtualtourist, mas a festa é bem portuguesa e aberta aos amigos, e é bom sentirmos que aquelas maravilhas com que eles vão coleccionar prémios internacionais, têm também 0.0000...% das nossas mãos.


Eu vou. E tu?